Como fazer uma boa confissão

O Catecismo da Igreja Católica (CIC), no número 1421, nos ensina que, assim como o Senhor Jesus, médico de nossas almas e dos nossos corpos, que remiu os pecados do paralítico e restituiu-lhe a saúde do corpo (Mc 2,1-12), a Sua Igreja, encarnação continuada de Cristo, na força do Espírito Santo, continua a realizar Sua obra de cura e salvação.

Assim, para obter a misericórdia do Senhor, o fiel se aproxima do Sacramento da Penitência, reconciliando-se com Deus e com os irmãos. Deve ser um momento único na vida do fiel, pois exige a conversão do coração, um coração contrito e humilde, cheio do desejo de mudança de vida.

 

Confissão

 

Para que este sacramento alcance a sua eficácia, a Igreja nos propõe alguns passos. Ei-los:

primeira coisa que o fiel precisa ter para realizar uma boa confissão é a consciência de ter cometido pecado. O Sacramento da Penitência exige como matéria o pecado, que pode ser classificado como venial ou grave. Hoje, muitas pessoas não conseguem diferenciar o pecado e correm o sério risco de confiar na misericórdia de Deus limitando-se às confissões comunitárias (que, por sua vez, não são permitidas em nossa Arquidiocese). O outro risco está em se reportar sempre à confissão, mesmo não tendo matéria grave. Tais pessoas são bastante escrupulosas e ignoram que, como bem sabemos, a caridade perdoa pecados veniais, assim como o sacrifício da Santa Missa, que é oferecido para a remissão dos pecados, o profundo arrependimento e o ato penitencial no início das Santas Missas.

Para se chegar a este primeiro passo, é necessário que o fiel faça um bom exame de consciência. Este momento não deve ser feito na fila do confessionário, mas sim de forma tranquila, em que o fiel repassa suas atitudes no trabalho, na família, na escola, fazendo a seguinte pergunta: “Tenho vivido o meu Batismo?". Quando realizamos este segundo passo de chegar à consciência do pecado e da destruição que causa em nossa vida, este gera em nós uma profunda dor, que a Igreja chama de contrição, a dor do arrependimento.

Na dor, o fiel, consciente de sua falta, sabendo o que ela gera em sua vida, faz o propósito de emenda, que é uma firme resolução de não voltar a pecar e de evitar tudo o que possa ser ocasião de cometer pecados. Este, infelizmente, é um ponto que muitos esquecem.

A confissão pode ser descrita da seguinte forma: o penitente, diante do sacerdote – ministro de Deus – de maneira humilde se ajoelha e confessa toda a sua miséria, todo o seu pecado. O ato de reconhecer-se pecador não deve ser um ato de rebaixar a criação, mas de reconhecer que somos filhos de Deus e que, quando pecamos, nos afastamos do projeto original de nosso Criador, que é a santidade, pois não somos deste mundo (Jo 17), mas somos cidadãos do Céu.

Por fim, o sacerdote, ao ouvir os pecados, dá a penitência, que deve servir para reparar o mal, assim como Zaqueu, que era um cobrador de impostos, e quis reparar o mal feito: “Se defraudei alguém, devolverei quatro vezes mais...”. Geralmente os sacerdotes pedem que rezem, mas se acharem por bem que o fiel deva praticar uma atitude penitencial, podem decretar.

Como vimos, meus irmãos, a confissão é um Dom de Deus, mas devemos realizar este ato com um espírito piedoso, com o desejo de nos aproximarmos e de permanecermos na graça santificante, na presença de Deus!

 

Confira os horários de Confissão de nossa Paróquia, clicando aqui.

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Calendário Paroquial 2017

Homilia

Como foste fiel na administração de tão pouco, vem participar de minha alegria.
Evangelho - Mt 25,14-30 - 19/11/2017 - Pe. Durvano Ap. Dourado Porto - pároco

Ouça essa e outras homilias, clique aqui.

Sorteio Ação entre Amigos