O Pastorinho - Edição 8

 

Acesse a versão completa do Informativo abaixo:

 


Entrevista completa com o Padre Rafael sobre a ressurreição dos mortos

 

 

 


Mais depoimentos sobre a JMJ

Para mim a jornada foi uma oportunidade de ver o entusiasmo das pessoas que buscaram aquele lugar para se juntar em oração.

Destaco dois aspectos importantes:

O primeiro e mais bonito a meu ver foi a coleta seletiva coordenada pelos Catadores de materiais recicláveis. Possivelmente muitos não conseguiram identificar a articulação desses grupos para manter o ambiente organizado e saudável.

O segundo aspecto foi o silêncio nos momentos de oração em Copacabana. Nas atividades noturnas fazer a oração escutando o quebrar das marés nos ajudou a criar um ambiente semelhante ao de igreja.

Para dar continuidade ao que vivenciamos sugiro a leitura do texto do Pe Hilário Dick, intitulado E agora José.

Hudson/Marista - Coordenador do Setor Pastoral

 

 

Amanda Pereira/Marista

 

 

 

Andressa Pereira/Marista

 

 

 

Jéssica Orosco/Marista

 

 

 

Júlia Oliveira/Marista

 

 

 

Lucas Philipe/Marista

  


Depoimento de um voluntário

 

“Tudo começou quando fui aceita como voluntária, não esperava isso por nada, foi uma surpresa incrível. Assim que descobri o dia que iria para o Rio de Janeiro, já comecei a pensar em tudo, como mala, roupas e amigos que iria fazer. Depois de toda a preparação, chegou o dia de ir para o Rio de Janeiro junto com Beatriz Santos (também voluntária de nossa Paróquia).

Dia 15 de Julho  fui com o coração na mão, não sabia para onde ir, não sabia onde iria ficar, mas quando chegamos ao aeroporto e fomos recebidas por uma Irmã também voluntária Diocesana, e ela nos orientou a esperar um ônibus que nos levaria até a Catedral do Rio para pegar o kit voluntário (que tinha: 2 camisetas de voluntário, 1 camiseta do peregrino, alguns livros, uma garrafinha, nosso vale transporte e alimentação). Nessa Catedral foi que eu realmente percebi que estava na JMJ, quando vi vários jovens juntos buscando um mesmo objetivo (Jesus Cristo). Jovens do mundo inteiro cansados, com fome, mas sem perder a animação, sempre cantando, louvando ao Senhor em várias línguas, e isso me arrepiava cada vez mais. Depois de mais de 10h na fila para pegar o Kit, foi aquela correria para saber para onde ir e como ir, foi aí que eu olhava para o lado e via placas com pessoas correndo atrás para dividir táxis. Nesse momento foi que começou minha peregrinação. O local onde Deus me colocou foi a Paróquia Santa Isabel – Rainha de Portugal (chamada carinhosamente por nós, voluntários, de “BEBEL”). Nessa paróquia fomos recebidos com muito carinho, se ofereceram para carregar nossas malas e tinha um jantar nos esperando. Eu não estava esperando nunca uma recepção como essa, mas me rendi e daí começaram as apresentações. Tinha gente do Brasil todo: Rio grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Ceará, Curitiba, Bahia, enfim de todo lugar. Nós, como voluntários, chegamos uma semana antes da JMJ, pois teríamos vários treinamentos antes do tão esperado evento. Como ninguém se conhecia, ficamos amigos rapidinho. Nessas saídas para os treinamentos, nunca ninguém saía sozinho, isso foi o que mais me chamou a atenção, o companheirismo de pessoas que nunca vi na minha vida. Cada saída era uma aventura nova, andar de trem e metrô sempre lotados com essas pessoas maravilhosas era incrível. Todos os dias nos chegávamos por volta das 22h/23h ao nosso alojamento que era a “Bebel”  e íamos dormir por volta de 3h da manhã somente trocando experiência do nosso dia e de nossa vida, e no dia seguinte nós acordávamos às 7h da manhã, um pequeno detalhe, sem reclamar, pois era sempre legal acordar até com as batidas de panelas que as “tias” nos acordavam, ou com uma música linda: ‘Bom dia, hoje vai ser um bom dia...’. Cada um em “Bebel” tinha uma função na JMJ, as de uns era ficar no cinema, outros nas igrejas, mas todos tinham uma função linda que era fazer o cordão de isolamento para o nosso Santo Padre, o Papa e cada vez que esse homem de Deus passava por mim era uma emoção que não sei colocar em palavras, e para a minha surpresa, no último dia que nós, voluntários de “Bebel”, estávamos no cordão, ele, o Santo Padre, o Papa “Chico” tocou na minha mão... Pense em uma menina que chorava.

No local em que fiquei hospedada era  incrível, só tenho a agradecer as pessoas de “Bebel”,  que me ensinaram a viver com as diferenças sem reclamar, amigos que lá fiz vão ficar para sempre, em particular pessoas que me ensinaram coisas lindas como o Juninho, a Railani, o Ângelo, o Júnior, a Mari, a Ju, o Guilherme, enfim, pessoas que apesar da pouca idade me ensinaram muito. Queria agradecer também uma pessoa daqui de Brasília por que sem ela não poderia  levar minhas coisas para o Rio (como viajar sem mala?). O “tio” João foi um dos meus “padrinhos” dessa JMJ, foi a pessoa que Deus colocou no meu caminho para me emprestar uma mochila de peregrino e sacos de dormir. Obrigada, “tio” João.

Houve vários momentos que nosso Papa ‘Chico’ falou para nós do mundo inteiro, um dos momentos foi no 1º contato com os jovens (quatro milhões de pessoas em Copacabana): “Jovens, bote fé, bote amor, bote esperança em Deus”. Outro momento que me marcou muito em um desses ‘bate papos’ do nosso Papa foi a mensagem/missão que ele deixou para os jovens voluntários que foi a seguinte: “Sejam Jovens revolucionários, não tenham medo de ser jovens cristãos, não tenham medo de ser um jovem revolucionário, leve Jesus com vocês.”

E para finalizar meu relato sobre a JMJ, falo mais um pouquinho sobre a “Bebel” (Esse lugar realmente me marcou muito), no Rio cada vez que nos encontrávamos poderia ser em qualquer lugar, nós tínhamos um “grito de guerra” que era: “Qual é a paróquia de vocês? Bebel, Bebel. E o que trouxeram dessa vez? Amor e Paz.

Com esse pequeno ‘grito’ nós, jovens, conseguimos transmitir Deus para o nosso próximo.

Enfim, essa foi a minha experiência na JMJ Rio 2013. #PartiuPolônia

JMJ Cracóvia 2016, aí vamos nós!”

 

Rayanne Almeida Silva/PNSF

 

 

 

 


Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Calendário Paroquial 2017

Homilia

Como foste fiel na administração de tão pouco, vem participar de minha alegria.
Evangelho - Mt 25,14-30 - 19/11/2017 - Pe. Durvano Ap. Dourado Porto - pároco

Ouça essa e outras homilias, clique aqui.

Sorteio Ação entre Amigos